6 de dez de 2010

Feira '-'


…Por isso centenas de leis, promessas, amarras e justificativas. Que levam os amantes para um só lugar, o umbral dos corações, o nada. Toda pessoa que amou sabe o que é isso e suspira profundamente, tentando expelir este vazio da boca. Mas, já tem a alma como uma blusa de seda furada com um broche. Não há nada o que se fazer a respeito. Nada. Pois o vazio está tão presente quanto o oxigênio que os pulmões bombeiam. É o estado terminal alcançado pela desvalorização de um grande amor. Quando está morto feito um boneco suspenso por fios de náilon. E é deixado assim, como cadáver à mostra, para que todos vejam. Permitindo e aguardando o final mais triste, quando a carniça tomba depois de ser mordida por centenas de urubus. A metáfora poderá parecer por demais exagerada, mas que seja. É essa correta descrição de um amor carregado pela comodidade. E, para ratificar a feiúra deste costume tão humano, pode-se comparar o fim do amor como uma feira, que começa cheia de flores e frutas perfumadas e termina com lama e restos. [ Fernanda Young – Vergonha dos pés]

4 comentários:

  1. Q seja exagerada a metáfora!
    Mas quem ja passou pela dor, entenderá.

    bj
    .
    LiZZa

    ResponderExcluir
  2. A Fernanda escreve com uma força que grita. Sempre me deixa impactada, cheia de pensamentos e poucas razões!

    Um beijo, Lilian!

    ResponderExcluir
  3. O fim está anunciado, simplesmente porque há um começo.

    ResponderExcluir

Agradecemos a preferência.Volte sempre ! :)