8 de abr de 2010

E o que eu sinto ...



E o que eu sinto é o tal do amor. Aquele surrado, mal-falado, desacreditado e raro amor, que eu achava que não existia mais. Pois existe. E arrebata, atropela, derruba, o violento surto de felicidade causado pelo simples vislumbre do teu rosto.

Lucas Silveira

12 comentários:

  1. O tal do amor idiota, aquele que pode nos tirar da realidade e depois colocarnos de volta da pior maneira possivel ...

    ResponderExcluir
  2. Ah, Lucas sabe demais!
    =)
    Beijocas, menina =*

    ResponderExcluir
  3. uau..

    tinha q ser o lindoO do Lucas!!!

    ResponderExcluir
  4. Tão dificil falar de "amor" quando a palavra na boca da moçada é "peguéti"... vamos torcer pelas paixão que pode ser a porta para o amor! (não via de regra)

    ResponderExcluir
  5. o violento surto de felicidade causado pelo simples vislumbre do teu rosto.

    Boa definição.

    ResponderExcluir
  6. E como o Lucas mesmo já disse em um dos textos dele, "A gente apelida essa utopia de ‘amor perfeito’, de ‘amor de verdade’ e de inúmeras coisas, como se o amor – puro e simples – não fosse o bastante. E o amor – simples, sem adereços – já é tão complexo, tão raro, que muitos que conheço já se aproximam dos 30 sem saber o que é."

    Tão simples... E tão amor!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. aiii brigado pela força querida Lilian... brigado mesmo..

    Bjinhus...

    ResponderExcluir
  8. Amor é um sentimento complicadinho, né Lílian?

    Mas é recompensador!

    Beijocas!

    ResponderExcluir

Agradecemos a preferência.Volte sempre ! :)