9 de ago de 2012

Fieira




Posso me esforçar à vontade
que a letra não sai redonda.
Deus me vê.
Não escrevo mais cartas,
só palavrões no muro:
Foda-se. Morra.
Estou cansada de dizer eu te amo.
Não tem começo nem fim minha paciência.
Não paro de pensar em Jonathan.
Detesto escrita elegante.
As tragédias são doces.
Aprendi a falar desde pequenininha.
Tudo que digo é vaidade.
É impossível viver sem dizer eu,
palavra a Deus reservada.
Não sei como ser humana.
Saberei, se Jonathan me amar:
’que unha forte!’,
‘você me lembra alguém’,
‘quase lhe mando um cartão’.
Migalhas, Jonathan,
você também vai morrer,
fala,
descansa meu coração.
Adélia Prado

3 comentários:

  1. Rasgando o verbo..
    Lavando a alma c/Adélia Prado.

    =)
    bjo
    saudads daqui!

    ResponderExcluir
  2. Esses finais sempre doloridos e complicados.

    Saudade de viajar aqui, moça.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Excelente:)! Gosto de Adélia e da sua linguagem crua, mas poética!
    Parabéns
    Bjo

    ResponderExcluir

Agradecemos a preferência.Volte sempre ! :)