31 de mai de 2011

Vai passar


Vai passar, tu sabes que vai passar. Talvez não amanhã, mas dentro de uma semana, um mês ou dois, quem sabe? O verão está ai, haverá sol quase todos os dias, e sempre resta essa coisa chamada "impulso vital". Pois esse impulso às vezes cruel, porque não permite que nenhuma dor insista por muito tempo, te empurrará quem sabe para o sol, para o mar, para uma nova estrada qualquer e, de repente, no meio de uma frase ou de um movimento te supreenderás pensando algo como "estou contente outra vez". Ou simplesmente "continuo", porque já não temos mais idade para, dramaticamente, usarmos palavras grandiloqüentes como "sempre" ou "nunca". Ninguém sabe como, mas aos poucos fomos aprendendo sobre a continuidade da vida, das pessoas e das coisas. Já não tentamos o suicidio nem cometemos gestos tresloucados. Alguns, sim - nós, não. Contidamente, continuamos. E substituimos expressões fatais como "não resistirei" por outras mais mansas, como "sei que vai passar". Esse o nosso jeito de continuar, o mais eficiente e também o mais cômodo, porque não implica em decisões, apenas em paciência.
Claro que no começo não terás sono ou dormirás demais. Fumarás muito, também, e talvez até mesmo te permitas tomar alguns desses comprimidos para disfarçar a dor. Claro que no começo, pouco depois de acordar, olhando à tua volta a paisagem de todo dia, sentirás atravessada não sabes se na garganta ou no peito ou na mente - e não importa - essa coisa que chamarás com cuidado, de "uma ausência". E haverá momentos em que esse osso duro se transformará numa espécie de coroa de arame farpado sobre tua cabeça, em garras, ratoeira e tenazes no teu coração. Atravessarás o dia fazendo coisas como tirar a poeira de livros antigos e velhos discos, como se não houvesse nada mais importante a fazer. E caminharás devagar pela casa, molhando as plantas e abrindo janelas para que sopre esse vento que deve levar embora memórias e cansaços.
Contarás nos dedos os dias que faltam para que termine o ano, não são muitos, pensarás com alívio. E morbidamente talvez enumeres todas as vezes que a loucura, a morte, a fome, a doença, a violência e o desespero roçaram teus ombros e os de teus amigos. Serão tantas que desistirás de contar. Então fingirás - aplicadamente, fingirás acreditar que no próximo ano tudo será diferente, que as coisas sempre se renovam. Embora saibas que há perdas realmente irreparáveis e que um braço amputado jamais se reconstituirá sozinho. Achando graça, pensarás com inveja na largatixa, regenerando sua própria cauda cortada. Mas no espelho cru, os teus olhos já não acham graça.
Tão longe ficou o tempo, esse, e pensarás, no tempo, naquele, e sentirás uma vontade absurda de tomar atitudes como voltar para a casa de teus avós ou teus pais ou tomar um trem para um lugar desconhecido ou telefonar para um número qualquer (e contar, contar, contar) ou escrever uma carta tão desesperada que alguém se compadeça de ti e corra a te socorrer com chás e bolos, ajeitando as cobertas à tua volta e limpando o suor frio de tua testa.
Já não é tempo de desesperos. Refreias quase seguro as vontades impossíveis. Depois repetes, muitas vezes, como quem masca, ruminas uma frase escrita faz algum tempo. Qualquer coisa assim:
- ... mastiga a ameixa frouxa. Mastiga , mastiga, mastiga: inventa o gosto insípido na boca seca ... 
( Caio F.In Dispersos) 

8 comentários:

  1. Uma das blogueiras que temos como amiga em comum acha Caio mimimi. Acho que ela tb deve me achar, pq ele as vezes é muito eu.
    Eu já fiquei contando os dias para o ano passar rápido, na ansiedade da chegada de nada,só pro tempo passar mais rápido,só pra chegar o amanha que não me doeria.
    Eu já dormi sete hrs da noite pra n ter que ficar acordada e ja fui dormir quase sete da manha tb com preguiça de dormir e ter outro dia dolorido pra enfrentar.
    Eu já também fiz coisas sem nexo, como limpar gavetas antigas, ler bula de remedio ou modo de usar de desinfetante.Qualquer coisa que me entretesse de mim.
    eu já quis tanto que chegasse um tempo que o "vai passar" não fosse preciso, que me perdi nas frestas desse querer.
    Queria que n fosse preciso passar. Queria tb ser mais fácil ser gente, sabe? Ser mais fácil a gente mostrar a cara e não levar tapa. Queria também ser a carinhosa e não ficar insegura. Queria, de vez em quando ao menos, que as pessoas fossem constantes...confiáveis.
    Me contaram de uma vida diferente quando eu era criança, e eu acreditei. E, sabe?Lá no fundo eu tenho uma vontade tão grande, misturada com espernaç de que seja mesmo.
    Dizem que a gente tem que trazer a esperança nos olhos.aliás, dizem que a culpa de tudo semrpe é nossa, e acaba sendo, né?Tão irônico isso.Como se as lágrimas que molham meu rosto agora fossem escolhas minhas.Como se não fossem...pior que são.Não diretamente, mas há uma lógica nessa raciocínio.
    Ah..Caio/Lilian...eu queria que passasse mesmo. mais passasse direto onde eu pudesse ser só eu, sem bancar a forte, ou ter medo dos meus medos. Queria que passasse pra uma vida talvez, onde a a vida fosse ao menos mais um pouquinho parecida com a que eu acreditei...

    ResponderExcluir
  2. Renata disse:
    Bom ver como aqui as palavras,os sentimentos ganham proporção!

    ResponderExcluir
  3. Ai,ai...o Caio se reinventou nessas palavras para que seguissemos pensando com o interesse de continuar.
    Acreditamos aqui,que vai passar.

    =)

    ResponderExcluir
  4. uma hora tem de passar,e se não passar...adormecerá :)
    eu acho triste demais este texto de Caio,mas combina muito comigo!
    Um beijo,Li.

    ResponderExcluir
  5. Sempre que vejo o Caio tenho que parar, ler e comentar!
    Esse jeito leve dele de falar as coisas, neste causa, falta, me faz tão bem!
    Mas como ele diz, vai passar, além do mais não é tempo de desesperos! ;)

    Grande Caio.
    Beijos, flor.

    ResponderExcluir
  6. Foi este por mnuito tempo o meu escrito preferido e ainda é, um deles pelo menos.

    ResponderExcluir
  7. Tudo sempre passa _ e fica a leveza do que poderia ter sido. Texto profundo !!! Lindoooo
    Bjim ***

    ResponderExcluir
  8. De repente, este texto deixou-me com a lágrima no canto do olho...

    Sempre fantástico, o Caio!

    Bjito directamente da Lua

    ResponderExcluir

Agradecemos a preferência.Volte sempre ! :)