25 de abr de 2011

Dama da noiite

Fissura, estou ficando tonta. Essa roda girando girando sem parar. Olha bem: quem roda nela? As mocinhas que querem casar, os mocinhos a fim de grana pra comprar um carro, os executivozinhos a fim de poder e dólares, os casais de saco cheio um do outro, mas segurando umas. Estar fora da roda é não segurar nenhuma, não querer nada. Feito eu: não seguro picas, não quero ninguém. Nem você. Quero não, boy. Se eu quiser, posso ter. Afinal, trata-se apenas de um cheque a menos no talão, mais barato que um par de sapatos. Mas eu quero mais é aquilo que não posso comprar. Nem é você que eu espero, já te falei. Aquele um vai entrar um dia talvez por essa mesma porta, sem avisar. Diferente dessa gente toda vestida de preto, com cabelo arrepiadinho. Se quiser eu piro, e imagino ele de capa de gabardine, chapéu molhado, barba de dois dias, cigarro no canto da boca, bem noir. Mas isso é filme, ele não. Ele é de um jeito que ainda não sei, porque nem vi. Vai olhar direto para mim. Ele vai sentar na minha mesa, me olhar no olho, pegar na minha mão, encostar seu joelho quente na minha coxa fria e dizer: vem comigo. É por ele que eu venho aqui, boy, quase toda noite. Não por você, por outros ecmo você. Pra ele, me guardo. Ria de mim, mas estou aqui parada, bêbada, pateta e ridícula, só porque no meio desse lixo todo procuro o verdadeiro amor. Cuidado, comigo: um dia encontro.

Só por ele, por esse que ainda não veio, te deixo essa grana agora, precisa troco não, pego a minha bolsa e dou a fora já. Está quase amanhecendo, boy. As damas da noite recolhem seu perfume com a luz do dia. Na sombra, sozinhas. envenenam a si próprias com loucas fantasias. Divida essa sua juventude estúpida com a gatinha ali do lado, meu bem. Eu vou embora sozinha. Eu tenho um sonho, eu tenho um destino, e se bater o carro e arrebentar a cara toda saindo daqui. continua tudo certo. Fora da roda, montada na minha loucura. Parada pateta ridícula porra-louca solitária venenosa. Pós-tudo, sabe como? Darkérrima, modernésima, puro simulacro. Dá minha jaqueta, boy, que faz um puta frio lá fora e quando chega essa hora da noite eu me desencanto. Viro outra vez aquilo que sou todo dia, fechada sozinha perdida no meu quarto, longe da roda e de tudo: uma criança assustada.
Caio Fernando Abreu- Dama da noite-Os Dragões não Conhecem o Paraíso.

Luiza Possi-Folhetim(Chico Buarque)

12 comentários:

  1. uma criança assustada, ainda sou.

    e eu tava ouvindo folhetim agorinha.

    ResponderExcluir
  2. Amei, amei, amei o post, quando tenho tempo sempre passo por aqui!
    Adoro seu blog!
    parabens!
    XD

    ResponderExcluir
  3. Essa moça bonita do comentário acima, a Andressa, me mandou esse vídeo ontem: http://www.youtube.com/watch?v=m7crHprND2A

    Ai, que preguiça de roda gigante.

    ResponderExcluir
  4. Renata disse:
    Mesmo encantada com a roda da vida,o lugar mais seguro é o meu quarto.
    "...desse lixo todo procuro o verdadeiro amor."
    Pode ser,sempre é isso.
    *Bjoss,Lilian!

    ResponderExcluir
  5. sempre tenho esse momento de criança assustada :/

    ResponderExcluir
  6. adorei e por aqui vou ficar.
    "...desse lixo todo procuro o verdadeiro amor."
    Caio é Caio né, the best!

    ResponderExcluir
  7. Lilian seus posts são perfeitos, escolhas bem afinadas com esse nosso universo feminino...na verdade vai além, esse nosso universo humano.
    Ameiiii, como sempre.
    Beijosss,
    Kenia.

    ResponderExcluir
  8. Muito bom Lilian! Caio consegue inevitavelmente tocar nossas almas... Bjoo!

    ResponderExcluir
  9. Caio é o único vício que faço questão de não largar!
    Linda escolha!

    ResponderExcluir
  10. LindO Lilian! Caio como sempre arrebenta ..rs.
    Bjo

    ResponderExcluir

Agradecemos a preferência.Volte sempre ! :)