7 de jan de 2011

Medo do Escuro


Dor física. Uma sensação de impotência. Raiva e tristeza. E saudade, de algo que ainda nem acabou. É preciso deixar voar - maldito pensamento que ecoa em sua mente. Ensinar a voar. Deixar voar. Nada é para sempre. Desapego. Desapego. Mas de forma imaginária, seus braços a seguram firme, seus joelhos sangram por arrastarem-se pela calçada irregular, implorando por mais algumas horas em sua companhia. Implorando a um deus em que nunca acreditou para que o tempo pare, para que o resto do planeta exploda. Não. Horas não seriam suficientes. Dias. Meses. Anos. Existe para sempre, mãe? Sim, existe. E acreditando nisso como uma criança, é esse o tempo em que deseja ficar com ela. Sem hora marcada. Sem despedidas tão dolorosas. Um até logo que não ficasse engasgado na garganta. Um abraço que não arrancasse pedaços. Um tchau que não terminasse em soluços desesperados ao dobrar a primeira esquina. É pedir demais, mãe? Apenas abrir os olhos pela manhã e enxergar os dela. Voz. Cheiros. Lágrimas. Sorrisos. Ver crescer, envelhecer, morrer como tudo e todos morrem. Sempre. Para sempre, nem que ele não exista, esse maldito sempre. Nem que seja tudo mentira, uma grande farsa, um engano, as pessoas, os sentimentos, a própria vida. Mas por favor. Pelo amor de qualquer migalha de sentimento verdadeiro que exista nesse mundo. É amor sim, e dói muito. Um beijo e sara, mãe? Que amor egoísta é esse que não sabe deixar partir? Mas não há mais lágrimas. O desespero escondeu-se. Não extravasa em rompantes. Escapa devagarinho, dia após dia. Como uma dor no limite do suportável, que não mata, só maltrata. Gostaria de ficar mais um pouco com você - é o máximo que as palavras conseguiam dizer. "O sol também vai embora, mãe. Mas ele volta." Sim. Claro que sim. Mas e as noites, tão longas, o que fazer com elas? O que fazer para não duvidar que a escuridão tem fim? Quando crescer, passa? Sara? Responda. Porque já cresci e ainda tenho medo.
Renata



Legião Urbana-Esperando por mim

9 comentários:

  1. *-* belíssimo texto... muito profundo...
    (obrigada pela visita :) #perseguindoo

    ResponderExcluir
  2. 'Quando crescer, passa? (...) Porque já cresci e ainda tenho medo.'
    então acho que eu ainda não cresci'
    =/

    ResponderExcluir
  3. Belíssimo. Já tinha lido no blog da Renata, repito aqui o meu cómentário.

    Renata, esse é certamente o post mais lindo que já li aqui, e olha que foram vários lindos, heim.

    Lembra-me Clarice Lispector, que diz: "Amar é não ter".

    A beleza do amor está na efemeridade das coisas. Suportaríamos amar se fôssemos eternos? Se não houvessem dúvidas?

    Mas a beleza do amor está também em desejar ardentemente essa tal eternidade que a gente acredita lá no fundo, sem saber por que...

    ResponderExcluir
  4. Digo denovo!
    _________
    Dificil..
    Tatuado não só na pele mas em qualquer, mesmo que singelo, traço da personalidade, da alma e do coração toda e qualquer oração feita 'a um Deus'...
    Pedindo...
    Implorando...
    ...
    ...
    Suplicando e até mesmo esbravejando para que nao tenha mais, nunca mais o 'Adeus'.

    ResponderExcluir
  5. Fear of the dark... Passará?! Passarão?! Passarinho?! We "stil haven´t found what" we "looking for"... ;)

    ResponderExcluir
  6. Nunca passa, sempre fica num cantinho nos torturando...
    Lindo texto.

    Beijos!
    Taty!
    www.tatyns.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Renata disse:
    Ah,eu tenho que comentar!
    Quando achei,felizmente,o seu blog Lilian,o li quase todo.E me encantei pelos textos de minha xará Renata.Mas esse é muito,muito emocionante!
    Tinha esquecido de comentar.Li o último texto da Cah Heloíse e lembrei-me dele.

    Aliás,seu bom gosto literário é incrível.Belas escolhas, Lilian.Amo as fotos também!
    :)*

    ResponderExcluir

Agradecemos a preferência.Volte sempre ! :)