5 de fev de 2010


"Não sei como me defender dessa ternura que cresce escondido e, de repente, salta para fora de mim, querendo atingir todo mundo. Tão inesperada quanto a vontade de ferir, e com o mesmo ímpeto, a mesma densidade. Mas é mais frustrante. Sempre encontro a quem magoar com uma palavra ou um gesto. Mas nunca alguém que eu possa acariciar os cabelos, apertar a mão ou deitar a cabeça no ombro. Sempre o mesmo círculo vicioso: da solidão nasce a ternura, da ternura frustrada a agressão, e da agressividade torna a surgir a solidão. Todos os dias o ciclo se repete, às vezes com mais rapidez, outras mais lentamente. E eu me pergunto se viver não será essa espécie de ciranda de sentimentos que se sucedem e se sucedem e deixam sempre sede no fim."
.
.
(Caio F. Abreu)

7 comentários:

  1. Essas palavras entram e me tocam profundamente.
    Caio é perfeito.

    E teu cantinho nem preciso falar né, é encantador.

    Adoro vir aqui.

    Beijo ;*

    ResponderExcluir
  2. tenho Caio F Abreu na mesinha ao lado da cama... ele enriquece a gente, não é ?

    adorei tudo isso...

    beijo grande

    ResponderExcluir
  3. Também não sei como me defender. Sei que ele é perfeito! :)

    ResponderExcluir
  4. Caio é perfeito.

    Mas falando em ternura, a minha pelo menos só quer saltar pra cima de quem não vale a pena.
    E acredite, eu sei disso.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Sugar cada intante em que a ternura nos estende a mão e viver como se fosse o minuto derradeiro.


    Abraço

    ResponderExcluir
  6. Bah, eu não conhecia essa citação do Caio. Tudo aí é digno de nota e de nos fazer pensar. Foi bom hoje ler isso aí.

    Abraço!

    ResponderExcluir

Agradecemos a preferência.Volte sempre ! :)